0 Em Arequipa/ Cultura/ Peru

Arequipa: Monastério de Santa Catalina

DSCN2118

Essa é a atração que modificou a história de Arequipa como cidade turística. A pesar de existir há 434 anos, o Monastério foi aberto ao público somente em 1970, graças ao auxílio de um grupo de empresários arequipenhos que decidiram investir na restauração e abertura do monastério como ponto turístico.

Entrada principal.

Entrada principal.

DSCN2114

Sem enrolação: é uma cidade. A publicidade feita por eles usa o slogan “a cidade dentro da cidade”. Levando em consideração que foi construído em 1579 (sendo reconstruído muitas vezes devido aos terremotos, e depois ampliado no século XVIII, mas não deixa de ser há muito tempo!) é muito impactante estar lá dentro e ver toda a estrutura planejada e executada ali. Ruas inteiras, jardins, praças, um sistema eficiente de drenagem das chuvas, lavanderia, cemitério, inúmeros quartos e cozinhas – no princípio, cada reclusa tinha seu quarto ou “mini apartamento”, com uma cozinha e um “quarto de empregada” – tudo construído isolado do mundo.

Quarto simples

Quarto simples

Eles colocam um boneco como se fosse uma freira rezando - pode ser um pouco assustador se você é desatento como eu...

Eles colocam um boneco como se fosse uma freira rezando – pode ser um pouco assustador se você é desatento como eu…

DSCN2147

O monastério foi na verdade fundado por Doña Maria, uma senhora espanhola muito rica que, depois de viúva, decidiu ser reclusa neste convento ainda em construção e doar a eles todos os seus bens. Na época era algo muito nobre para uma família ter uma filha religiosa, assim sendo, inúmeras famílias enviavam suas filhas para lá para viverem reclusas. O que eu achei mais interessante foi justamente o seguinte paradoxo – como estas meninas eram novas e muito ricas, as famílias enviavam também as empregadas para as servirem. Elas, as monjas, ficavam ali, reclusas, sem ver suas famílias, sem contato com o mundo exterior, mas com uma pessoa que cozinhava, limpava e lavava para elas. Achei isso muito maluco. E agora escrevendo o post pensei: será que as mulheres que as serviam podiam sair dali? Ou ficavam reclusas também pra sempre!? Fico nos devendo essa resposta por enquanto…

DSCN2130

Cozinha de um dos 'apartamentos'.

Cozinha de um dos ‘apartamentos’.

Apesar das “controvérsias” todas – controvérsias pra mim, tá gente? Sou católica de formação, mas ao mesmo tempo tenho minha veia feminista, então creio que por isso entrei nesse mundo todo de questionamentos -, era mantido também no monastério um colégio para meninas (elas entravam por volta dos cinco anos e saiam para casar-se), um asilo, além de recolherem mulheres marginalizadas à sociedade – mães solteiras, viúvas sem condições de se manter, moças renegadas pela família… Era ao mesmo tempo um centro de auxílio às mulheres da época. O passeio é bastante interessante e, pelo menos pra gente, proporcionou boas reflexões.

DSCN2117

DSCN2125

Ali viveu a religiosa Sor Ana de los Ángeles, muito popular entre os fiéis peruanos. Ela entrou no convento aos 3 anos (por volta de 1607), para estudar, sua família a retirou dali por volta dos 11 anos para casar-se. Em casa, ela teve uma visão com Santa Catarina de Siena e decidiu voltar ao convento – para isso teve que brigar com sua família. Sor Ana foi beatificada pelo papa João Paulo II em 1985, sendo atribuídos a ela inúmeros milagres e previsões.

DSCN2144

Lavanderia do Monastério

Lavanderia do Monastério

Lá é possível ver também um museu com quadros e objetos religiosos.  Hoje em dia vivem ali no monastério cerca de 20 monjas, em uma área que não está aberta ao público. Elas podem ser vistas na missa diariamente. O tour dura cerca de 1 hora (ingresso S/. 30,00 = R$ 23,50), e o serviço de guia (S/. 20,00 = R$ 16,00) é opcional. Dentro do monastério existe ainda uma loja onde se vendem itens religiosos (comprei 3 medalhinhas) e alguns produtos produzidos por elas – sabonetes e um hidratante de rosas excelente e muito cheiroso!

Cantuta, a flor peruana.

Cantuta, a flor peruana.

Talvez você também goste

Sem Comentários

Deixe seu comentário, opinião, dúvida, elogio. A gente vai adorar!